sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Atenção Noahides (Bnei Noach)

Untitled-2
Os rabinos no Tratado Sanhedrin [ 57a ] [ derivam da Torá ] a seis
grandes categorias de leis que D’us proíbe toda a humanidade :
1 . Proibição de matança
2 . Proibições relativas ao roubo
3. Cometer imoralidade sexual
4. Comer a carne de um animal vivo
5. Servir ídolos
6. Blasfemar contra o Eterno

Eles também derivam uma categoria positiva de leis :
1 . Estabelecer um sistema de justiça legal
Isto dá origem à expressão comum de “Sete ” Leis dos Filhos de Noé.
Conforme a computação padrão , estes dividem-se em 66 leis que não-judeus são obrigados a observar.
De acordo com o Rambam , a fim de merecer Mundo Vindouro , não- judeus devem observar essas obrigações especificamente porque eles foram ordenados por D’us através da Torá ( ver Gênesis 9). [Referências : R ' Shlomo Riskin , R' Nathan Cardozo Torah , Masorah , e Homem, e Mishnê Torah , Hilkhot Melakhim 08:11 ]
As sete categorias das Leis Noéticas
1 . Assassinato é proibido : A vida de um ser humano , formada em D’us
imagem , é sagrado.

2 . É proibido o roubo. O mundo não é nosso para fazer o que quisermos.
3. Relações incestuosas e adúlteras são proibidos. Os seres humanos
não são objetos sexuais , nem prazer o objetivo final da vida.

4 . Comer a carne de um animal vivo é proibido. Isso nos ensina
ser sensível a crueldade com os animais . (Esta foi ordenado a Noé
, pela primeira vez , juntamente com a permissão de comer carne. o
leis negativas foram aplicadas no Jardim do Éden. )

5. Idolatria é proibido : O homem está ordenado a crer n’Aquele D-us
sozinho e adorar somente ao Eterno

6. Amaldiçoando o nome de D-us é proibido. Além de honrar e
respeitando o Eterno , aprendemos com este preceito que o nosso discurso deve ser
santificado , como é que o sinal distintivo que o homem separado
dos animais.

7. À humanidade está ordenado estabelecer tribunais de justiça e um só
ordem social. Isto é , a fim de fazer cumprir as seis primeiras leis e
aprovar quaisquer outras leis ou costumes úteis.

Referências específicas
Essas categorias são sentidos a ser implícita no mandamento de D-us a Adão
e Eva em Gênesis ( Bereshit ) 2:16-17 :

1 . O versículo seguinte é uma referência à proibição de
assassinato. D-us explicitamente ordena a Noé (Gênesis 9:06 ) , “Se alguém derramar
o sangue do homem ( HaAdam ), pelo homem seu próprio sangue será derramado. “

2 . O seguinte é uma referência implícita à proibição de
roubo. Ele mostra que a permissão é necessária para levar algo que
não é explicitamente seu. ” Não furtarás , você não deve tratar
dolosamente ou falsamente um com o outro ” (Levítico 19:11) .

3. O versículo abaixo refere-se à má conduta sexual ou adultério , como o
profeta Jeremias (3:1) diz: ” Dizendo ( leemor ) , se um homem se divorcia
sua esposa … “

4 . O versículo seguinte implica que há coisas que não podem ser
comido ( os membros de um animal vivo ) : ” Você não deve , no entanto, comer
carne com o seu sangue da vida nele. ” (Gênesis 9:04 )

5. O versículo seguinte é uma referência à proibição de
idolatria , pois diz em Êxodo 20:3 : ” Não terás outros
deuses diante de mim “.

6. O versículo seguinte implica a proibição contra a blasfêmia . como
ele diz em Levítico 24:16 : “Aquele que blasfemar o nome do
Senhor ( Hashem ) morrerá. “

7. O que se segue é uma referência à lei de justiça por ele diz em
Gênesis 18:19 : “Porque eu conheço ele, assim ele vai comandar ( yitzaveh )
seus filhos depois dele, para que guardem o caminho do Senhor e
retidão e justiça . “

Sete Leis se transformam em 66 modos de conduta:
Deste derivam as 66 leis que se seguem:
1 . ASSASSINATO :
(1) contra alguém assassinar ninguém.

2 . ROUBO :
(1) contra o roubo ;
(2) contra a cometer assalto
(3) contra a mudança de um marco ;
(4) contra a batota ;
(5) contra repudiando a afirmação de dinheiro em dívida ;
(6) contra sobrecarga ;
(7) contra a cobiça ;
(8)contra o desejar ;
(9) um trabalhador deve ser permitido comer dos frutos , entre os quais ele trabalha
(sob certas condições);
(10) contra um operário comendo desse fruto
( quando certas condições não forem atendidas );
(11) contra um trabalhador tomada de tal casa de frutas ;
(12) contra o seqüestro;
(13) contra o uso de falsos pesos e medidas;
(14) contra a posse de falsos pesos e medidas;
(15) que um deve ser exato no uso de pesos e medidas , e
(16) que o ladrão deve retornar (ou pagar) o objeto roubado.

3. Relações ilícitas :
(1) contra ( um homem ), com a união com sua mãe ;
(2) contra ( um homem ), com a união com sua irmã ;
(3) contra ( um homem ), com a união com a esposa de seu pai ;
(4) contra ( um homem ), com a união com a mulher de outro homem ;
(5) contra ( um homem ) copulando com uma besta ;
(6) contra uma mulher copular com um animal ;
(7) contra ( um homem ) deitado carnalmente com um homem ;
(8) contra ( um homem ) deitado carnalmente com seu pai ;
(9) contra ( um homem ) deitado carnalmente com o irmão de seu pai, e
(10) contra a ter um comportamento erótico que pode levar a uma proibido
união .

[Nota: Há alguma controvérsia quanto ao que o texto correto para
(8) e (9), uma vez que parece ser coberta por ( 7). Se o texto for
baseado em Lev . 18:08 , a proibição padrão derivados é
coberto em (3). Note-se que isto está no âmbito das proibições noéticas]

4 . Comer o LIMBO de uma criatura viva :
(1) contra a ingestão de um membro amputado de um animal vivo , animal ou ave; e
(2) contra comer a carne de qualquer animal que foi rasgada por um animal selvagem
… que, em parte, proíbe o consumo de tal carne como foi arrancado um animal enquanto
ele ainda estava vivo.

5. IDOLATRIA :
(1) contra a idéia de que existe uma
divindade , exceto o Senhor ;
(2) contra fazer qualquer imagem de escultura (e
contra a existência de qualquer outra pessoa fazer um para nós) ;
(3) contra fazer
ídolos para utilização por terceiros ;
(4) contra fazer qualquer estátuas proibidos
(mesmo quando eles são para fins ornamentais );
(5) contra curvando
a qualquer ídolo (e não sacrificar nem libações , nem para queimar
incenso antes de qualquer ídolo, mesmo quando não é a maneira habitual
de adoração ao ídolo particular) ;
(6) contra a adoração de ídolos
em qualquer de suas formas habituais de culto;
( 7) contra causando
nossos filhos a passar ( pelo fogo ) na adoração de Moloque
[ Moloque era o deus do fogo dos amonitas e fenícios , a quem
pais sacrificaram seus filhos ];
(8) contra a prática Ov ;
[Nota: Nós precisamos de uma tradução / significado para Ov . ]
(9) contra a prática de Yiddoni [feiticeiro, mágico, perstidigitador ];
(10) contra voltando-se para a idolatria ( na palavra, no pensamento, na
ação, ou por qualquer observância que podem nos atrair para a sua adoração).

6. Blasfêmia;
(1) a reconhecer a presença de D’us;
(2) a temer D’us;
(3) a orar a D’us;
(4) para santificar o nome de D’us (em face da morte, se for o caso );
(5) contra a profanar o nome de Deus (mesmo em face da morte, quando
for o caso) ;
(6) para estudar a Torá ;
(7) para homenagear os estudiosos , e professor reverenciar sua , e
(8) contra a blasfêmia .

7. JUSTIÇA:
(1) nomear juízes e oficiais em cada comunidade ;
(2) para tratar os litigantes igualmente perante a lei ;
(3) para inquirir diligentemente para o depoimento de uma testemunha ;
(4) contra a devassa denegação de justiça pelo tribunal;
(5) contra o juiz aceitar um suborno ou presente de um litigante ;
(6) contra o juiz mostrando marcas de honra , mas um litigante ;
(7) contra o juiz agir com medo das ameaças de um litigante ;
(8) contra o juiz , por compaixão , favorecendo um pobre litigante ;
(9) contra o juiz discriminar o litigante porque ele é um
pecador ;
(10) contra o juiz, de suavidade , deixando de lado a pena de um
mauler ou assassino ;
(11) contra o juiz discriminar um estranho ou um órfão ;
( 12) contra o juiz um litigante na ausência do outro;
(13) contra a nomeação de um juiz que não tem conhecimento da Lei ;
(14) contra o Tribunal de matar um homem inocente ;
(15) contra a incriminação por provas circunstanciais ;
(16) contra a punição por um crime cometido sob coação ;
(17) que o tribunal é administrar a pena de morte pela espada ;
(18) contra qualquer pessoa tomar a lei em suas próprias mãos para matar o
autor de um crime capital (este ponto é discordaram sobre por
diferentes escritores : ” Os Noahides não se restringem desta forma, mas
podem julgar individualmente e ao mesmo tempo ” ) . ;
(19) para testemunhar em tribunal , e
( 20) contra a testemunhar falsamente .
 
Deixe um comentário
Publicado por  em outubro 9, 2013 em Anti-Missionario

 
Tags: ,,,,

Daniel 9

no5956_lg222
Daniel 9
Por Esh (João Alves correia) e Rodrigo Mourão
25 – Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; as ruas e o muro se reedificarão, mas em tempos angustiosos.
26 – E depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias, mas não para si mesmo; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações.
Desde a saída da palavra para reconstruir Jerusalém (davar) é sinônimo de profecia, a “palavra” conforme usada em Dan 9:25 significa a PALAVRA DE JEREMIAS,(dada por D-us a Jeremias) pois o contexto deixa isso muito claro: Daniel investigava os livros desse profeta quando encontrou a referência aos setenta anos de exílio (Jer 25:11) e a promessa de futura restauração (Jer 32-33). A cronologia bíblica demonstra que 605-6 aEC foi o ano em que a PALAVRA acerca da restauração foi dada a Jeremias. Assim, 605-6 aEC é o ponto de partida da profecia.
Desde a saída da PALAVRA (דבר) para devolver (להשיב) e para edificar (לבנות) Jerusalém, até [um] ungido (um) príncipe (משיח נגיד) , sete semanas…” — a “palavra” proferida por Jeremias envolvia a devolução da cidade e/ou de “Judá” como um todo e sua reconstrução e restauração (Jer 32:33-34/33:7) Agora, é importante notar a expressão “príncipe ungido” (משיח נגיד ) — a tradução apresentada aqui é a correta.
Não há, de maneira alguma, chances para que transformemos essa expressão em “O MESSIAS, O PRÍNCIPE” ou ainda, “O UNGIDO, O PRINCIPE” como uma possível referência ao Messias dos judeus ou qualquer outro que se tenha apresentado como tal. Por que? A razão é pura e simples: Esta passagem de Daniel 9:25-27 NÃO é uma “profecia messiânica”;
a) A expressão MASHIACH NAGID não vem acompanhada pelo ARTIGO DEFINIDO (ה “há”). Assim, não temos no original HA-MASHIACH como se estivesse identificando o redentor escatológico de Israel. Sabemos que a palavra MASHIACH é usada nas Escrituras em relação a príncipes, sacerdotes e reis (1 Sam. 24:6, Lev. 16:32, Is. 45:1);

b) Há dois MASHIACH (ungido) no texto: o primeiro, que viria após as sete semanas chamado de MASHIACH NAGID e o segundo, que viria após as sessenta e duas semanas, chamado simplesmente de MASHIACH. Mas, importante: Observe que NÃO se trata d’O MASHIACH, mas sim, de [um] príncipe ungido e de outro ungido, uma vez que a simples ausência do artigo definido já deixa a palavra indefinida.
DOIS PERÍODOS DIFERENTES COMEÇANDO NO MESMO ANO
O fraseado original de Dan 9:25 mostra que há uma PAUSA após a expressão “sete semanas” (shavu’im shiv’a). Esta pausa é facilmente demonstrada pela presença do sinal “atnach”, logo abaixo da palavra שבעה (sete).
O atnach seria o equivalente no português ao ponto e vírgula — o que indica claramente uma pausa, uma interrupção no verso. Assim, 7 semanas e 62 semanas são períodos distintos porque dizem respeito também à eventos e personagens distintos. É a interpretação cristã que faz pensar que trata-se de somente uma pessoa (no caso, Jesus) e que leva a pensar que os períodos (7 semanas e 62 semanas) são contínuos. Tanto as 7 semanas (49 anos) quanto as outras 62 (434 anos) iniciam-se quando Jeremias recebeu a PALAVRA (davar) profética em 605-6 aEC(na contagem laica esses anos são tidos como 607-608).
Sabe portanto, e discerne, que desde a saída da palavra para restaurar e reconstruir Jerusalém até um ungido, um príncipe, sete semanas; e por sessenta e duas semanas ela será reconstruída de novo, com as ruas e as circunvalações, mas em tempos de angústia” (Dan 9:25, Jewish Press Bible) A tradução da JPB demonstra o que foi afirmado anteriormente: os períodos são distintos, mas tem em comum o mesmo ponto de partida, a saber, a saída da PALAVRA profética para a reconstrução e restauração da cidade. (Dan 9:25)
SETE SEMANAS:
“Sabe portanto, e discerne, que desde a saída da palavra para restaurar e reconstruir Jerusalém até um ungido, um príncipe, sete semanas”
Sabemos, pois que Daniel examinava as profecias de Jeremias quando proferiu essas palavras, ou seja, temos que tomar por base o relato de Jeremias. Daniel disse que desde a palavra para restaurar e reconstruir Jerusalém até “um ungido, um prícipe, sete semanas”
A palavra que veio a Jeremias da parte do SENHOR, no ano décimo de Zedequias, rei de Judá, o qual foi o décimo oitavo de Nabucodonosor.
Jeremias 32:1

Sabemois, pois que Zedequias começou seu reinado em 605-606. Então uma conta simples nos revela quem é o “mashiach nagid”. Esse “príncipe ungido” deveria então aparecer em 556-557. Temos então a pista de quem é essa pessoa:
(notem que aqui também a história laica acrescenta dois anos, ou seja, tanto pela história judaica como pela laica Ciro II aparece 49 anos após a palavra de Jeremias)

CIRO, “O PRÍNCIPE UNGIDO”
Que digo de Ciro: É meu pastor, e cumprirá tudo o que me apraz, dizendo também a Jerusalém: Tu serás edificada; e ao templo: Tu serás fundado.
Isaías 44:28

Assim diz o SENHOR ao seu ungido, a Ciro, a quem tomo pela mão direita, para abater as nações diante de sua face, e descingir os lombos dos reis, para abrir diante dele as portas, e as portas não se fecharão.
Isaías 45:1

Mas será que Ciro II era mesmo um “príncipe ungido”? Será que ele realmente edificou Jerusalém e o Templo?
Para que se cumprisse a palavra do SENHOR, pela boca de Jeremias, até que a terra se agradasse dos seus sábados; todos os dias da assolação repousou, até que os setenta anos se cumpriram.
Porém, no primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia (para que se cumprisse a palavra do SENHOR pela boca de Jeremias), despertou o SENHOR o espírito de Ciro, rei da Pérsia, o qual fez passar pregão por todo o seu reino, como também por escrito, dizendo:
Assim diz Ciro, rei da Pérsia: O SENHOR Deus dos céus me deu todos os reinos da terra, e me encarregou de lhe edificar uma casa em Jerusalém, que está em Judá. Quem há entre vós, de todo o seu povo, o SENHOR seu Deus seja com ele, e suba.
2 Crônicas 36:21-23

No primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia (para que se cumprisse a palavra do SENHOR, pela boca de Jeremias), despertou o SENHOR o espírito de Ciro, rei da Pérsia, o qual fez passar pregão por todo o seu reino, como também por escrito, dizendo:
Assim diz Ciro, rei da Pérsia: O SENHOR Deus dos céus me deu todos os reinos da terra, e me encarregou de lhe edificar uma casa em Jerusalém, que está em Judá.
Quem há entre vós, de todo o seu povo, seja seu Deus com ele, e suba a Jerusalém, que está em Judá, e edifique a casa do SENHOR Deus de Israel (ele é o Deus) que está em Jerusalém.
Esdras 1:1-3

Porém, no primeiro ano de Ciro, rei de babilônia, o rei Ciro deu ordem para que esta casa de Deus(o Templo) se reedificasse.
Esdras 5:13

Concluímos então que indubitavelmente Ciro II é o “mashiach nagid” (príncipe ungido) de quem o anjo falava a Daniel.
SESSENTA E DUAS SEMANAS:
Ao diminuirmos 434 de 605/6, chegamos a 172/1 aEC, o ano em que Onias III, o último sumo sacerdote legítimo foi assassinado após ter sido exonerado do ofício sagrado por ordem de Antíoco IV Epífanes. Diz o texto hebraico: ואחרי השבועים ששים ושנים יכרת משיח (vê-acharei há-shav’uim shishim u-shnaim yikaret MASHIACH) — “e depois das sessenta e duas semanas, será morto [um] ungido” — cumprindo a profecia à risca, Onias III, após ter sido deposto por Antíoco Epífanes em favor de Jason é assassinado num complô armado por Menelau que fora denunciado publicamente por Onias devido à práticas ilícitas com relação aos tesouros do Templo. De acordo com Josefo, Jasão passa a servir como sumo-sacerdote após a morte de Onias (Antig. XII, 5/1). Assim, UM UNGIDO chamado Onias III, descendente de Aharon, foi “cortado” (yikaret), ou seja, morto como vítima de seu testemunho fiel “al kiddush há-shem”.

Sabemos, pois que o relato dos livros de Macabeus não é considerado por cristãos protestantes ou mesmo judeus como Escritura Sagrada. Mas todos nós sabemos que é uma boa fonte histórica, vamos então nos servir do relato histórico dos livros de I e II Macabeus. Para os mais críticos é recomendado “Antiguidades Judaicas XII 5/1 – Flávio Josefo”.
No início do estudo das sessenta e duas semanas foi afirmado que Onias III morreu no ano 172-171 aEC. Pois veremos se essa informação tem base:
2 Macabeus 4:7
Após a morte de Seleuco e tendo subido ao trono Antíoco Epífanes, Jasão, irmão de Onias, usurpou fraudulentamente o cargo de sumo sacerdote.(ano 175 aEC)

2 Macabeus 4:23
Três anos mais tarde…(ano 172)

2 Macabeus 4:34
Por causa disso, Menelau tomou à parte Andrônico, e induziu-o a matar Onias. Andrônico dirigiu-se, pois, para junto dele, enganou-o com astúcia, deu-lhe garantias, que confirmou por juramento, levou-o a deixar seu esconderijo e matou-o no mesmo instante, sem nenhuma atenção à justiça.(ano 172)

Vemos, pois que Onias cumpriu arisca a profecia quando falava que após 62 semanas seria um um “ungido”. Mais uma vez eis a pergunta que não quer calar: “Será que Onias era um homem assim tão digno? Pois foi depois dele que houve a profanação do Templo. Será que ele é de fato o ‘ungido’ que o anjo de Daniel fala que após dele viria tão grande profanação ao Templo?”. É uma ótima pergunta e eis a resposta:
2 Macabeus 3:1-3
Enquanto os habitantes de Jerusalém gozavam de uma perfeita paz, por causa da retidão e da piedade do sumo sacerdote Onias, na exata observância das leis, o Templo era respeitado até mesmo pelos reis estrangeiros. Estes honravam o Templo com os mais ricos presentes, a tal ponto que o rei Seleuco, rei da Ásia, subministrava com suas rendas pessoais toda a despesa necessária à liturgia dos sacrifícios.

Concluímos então que sim, Onias III além do último sumo sacerdote legítimo da linhagem de Arão era um homem justo, um exemplo de tzadik.
Continuação do verso 26:
“e o povo de um príncipe que há de vir destruirá a cidade e o santuário” — O “príncipe que há de vir” em questão não é outro senão o próprio Antíoco IV Epífanes; sabe-se que, embora pertencendo à decadente dinastia selêucida, Antíoco já encontrava-se na situação de vassalo dos romanos quando invadiu o Templo sagrado de Jerusalém. Um ano antes, o general romano Gaio Popílio Lenas o expulsara do Egito, mostrando quem agora estava no comando (Lívio XLV.11/Políbio XXIX.1). A frase “destruirá a cidade e o santuário” já é uma referência mais distante no tempo, ainda que o próprio Antíoco tenha profanado e causado muitos danos ao Templo de Jerusalém. O “povo do príncipe que há de vir” é que executaria a destruição, a nefasta obra definitiva, e não Antíoco. Daniel nos antecipa aqui eventos relacionados já ao ano 70 EC, quando os romanos sitiam Jerusalém e destroem a cidade e o santuário (10 de Av do ano 70 EC).
Há provas que Antíoco era subordinado aos romanos? Sim, veja:
1 Macabeus 1:11
Desses reis originou-se a raiz do pecado: Antíoco Epífanes, filho do rei Antíoco, que havia estado em Roma, como refém, e que reinou no ano cento e trinta e sete do reino dos grego.

(Antes de analisar essas próximas duas passagens, analisemos o contexto sobre quem fala o capítulo 8 de 1 Mc)
1 Macabeus 1:1
Pela voz da fama soube Judas Macabeu que os romanos eram extremamente poderosos…

(Então após entendermos que o cap. 8 refere-se aos romanos, analisemos as seguintes passagens para compreender que os gregos já estavam sob tutela romana no período de Antíoco Epífanes).
1 Macabeus 8:6-7
Antíoco, o Grande, rei da Ásia, lhes tinha movido guerra com cento e vinte elefantes, cavalaria carros e um numeroso exército, mas havia sido aniquilado por eles.

1 Macabeus 8:9-10
Os gregos haviam querido atacá-los para exterminá-los, mas eles o souberam e enviaram um general que os atacou, levando a perecer um grande número, arrastou ao cativeiro suas mulheres e seus filhos, saqueou e tornou-se senhor do país, destruiu suas praças fortes e os reduziu à servidão, que ainda durava.

Analisemos também que essa servidão dos gregos aos romanos persistia no tempo de Antíoco Epífanes, vejamos esses dois versos seguintes:
1 Macabeus 7:26
O rei enviou Nicanor, general eminente, que detestava e odiava Israel, com a ordem de exterminar esse povo.

2 Macabeus 8:10
Nicanor (general grego) esperava obter, com a venda dos judeus que fossem aprisionados, os dois mil talentos que o rei devia como tributo aos romanos.

Com isso, concluímos que indubitavelmente os gregos no período de Antíoco e de seu filho Antíoco Epífanes estavam já sob domínio dos romanos.
Continuação do verso 26:
“E seu fim será como numa inundação” — fala-se aqui explicitamente do fim daquele poder que destruiria o santuário. “Inundação” é um símbolo profético para “invasão(vide Is 8:7-8/28:18); todos sabemos o que aconteceu com o Império Romano em 476 EC – hordas bárbaras INVADIRAM o império (germanos, hunos, visigodos, etc) e deram um golpe mortal naquele que teria sido o maior poder político da história.
Explicações:
Interessante que o “príncipe” é um malfeitor segundo o texto! O abominador !
E fará aliança com muitos por uma semana” — o verbo usado no português nas versões tradicionais não transmitem a força de הגביר (higbir). O hebraico demonstra que a tal “aliança” seria um tanto que “forçada” a muitos. É importante notar também que não temos aqui o verbo normalmente usado nas alianças de D´us com Seu povo כרת (karat) — logo, o contexto e o vocabulário impossibilitam uma aliança divina aqui.
O que temos é um acordo humano, feito quase por imposição da força. Mais uma vez, voltamos a Antíoco e a sua aliança estabelecida com os Tobíadas que se opunham aos Oníadas (partidários do legítimo sumo-sacerdote Onias). Com a deposição de Onias III em 171 aEC, Antíoco conquista a simpatia dos Tobíadas e de outros partidários judeus
favoráveis ao helenismo.

Em 167 aEC, Antíoco instala um ídolo pagão no Templo (provavelmente Baal Shomem, equivalente ao Zeus Olimpo) e ordena a interrupção dos sacrifícios contínuos (tamid) e assim, cumpre a parte final da profecia: “E na metade da semana (167 aEC) fará cessar o sacrifício (zevach, i.e. tamid).
Há provas/evidências para esses feitos de Antíoco? Sim, veja foi feito com o Templo e com os holocaustos sob ordem de Antíoco:
2 Macabeus 6:2
macularam o Templo de Jerusalém, dedicaram-no a Júpiter Olímpico e consagram o monte Garizim, segundo o caráter dos habitantes do lugar, a Júpiter Hospitaleiro.

1 Macabeus 1: 44-45
Por intermédio de mensageiros, o rei enviou, a Jerusalém e às cidades de Judá, cartas prescrevendo que aceitassem os costumes dos outros povos da terra, suspendessem os holocaustos no Templo, violassem os sábados e as festas.

Continuação:
O ABOMINADOR FAZ QUE OS TALMIDIM (SACRIFÍCIOS) SEJAM SUSPENSOS!
1 Macabeus 1: 44-45
Por intermédio de mensageiros, o rei enviou, a Jerusalém e às cidades de Judá, cartas prescrevendo que aceitassem os costumes dos outros povos da terra, suspendessem os holocaustos no Templo, violassem os sábados e as festas.

Então não nos resta dúvidas, o abominador aqui em questão é indubitavelmente Antíoco!
Continuação do verso 26:
“terminar com o pecado (le-chatem chataat)” — Daniel disse em sua oração: “Pecamos!” (9:5) – e isso o afligia ao extremo; nesse ponto, ele entende que há solução para o pecado de SEU POVO.
Expiar a iniquidade (chaper avon) – a “iniquidade” que o profeta espera ver expiada é a de seu povo, pois afirmou: “cometemos iniquidade” (Dan 9:5) Logo, o contexto é judaico e não há lugar para conjecturas externas acerca de uma suposta “expiação” universal.
Trazer a justiça eterna (lehavi tsedeq olamim) – A justiça seria feita primeiramente sobre o ofensor babilônio (Is 45:1-5) e também depois sobre o inimigo selêucida (Zac 9:13).
e) Selar visão e profeta (lachtom chazon vê-navi) – confirmadas as palavras dos profetas, especialmente de Jeremias (25:8-14) e de Isaías (45:1-5).
f) Ungir o Santo dos Santos (limshoach qodesh há-qodashim) – este termo NUNCA refere-se a uma PESSOA, e sim, a um LUGAR, a saber, o LUGAR DOS LUGARES, o recinto mais sagrado do Beit Há-Mikdash, o Santo dos Santos — e isso foi feito quando da expulsão dos inimigos estrangeiros e da reconsagração do santuário após a profanação do arrogante monarca selêucida.
——————————————————————–
Autores: Esh/Rodrigo Mourão.
 
3 Comentários
Publicado por  em outubro 9, 2013 em Anti-Missionario

 

O NOVO TESTAMENTO ANTI-JUDAICO

1380717_247769055372689_1014402523_n
O NOVO TESTAMENTO ANTI-JUDAICO
Pelo PHD Uri Yosef
Anti-Misionário
Desconstruindo Yeshua/Jesus e a Brit chadashah(Novo Testamento)
I. INTRODUÇÃO
Ao longo de toda história do Cristianismo o povo judeu tornou-se bastante ciente das inúmeras passagens de feroz e difamatória polêmica anti-judaica dentro do Novo Testamento. Por outro lado, cristãos em geral têm sido insensíveis à natureza ofensiva destes textos e aos danos que seu uso tem causado ao povo judeu durante a História. Quando o imperador Constantino tornou-se cristão no século IV da era comum e instituiu o Cristianismo como religião oficial do Império Romano, os judeus se tornaram o principal alvo de perseguição por parte da “Igreja”.
Embora tenha sido o Holocausto o causador da aniquilação de dois terços da população judaica da Europa, antes havia diferentes atos de perseguição em massa e genocídio contra povo judeu, mas que partilhavam o motivo de seus precursores, as cruzadas, inquisições, pogroms e diversas expulsões. Cada um desses eventos foi alimentado pelo antissemitismo, o ódio aos judeus, que visava o seu assassinato e aniquilação. O Holocausto distinguiu-se dos outros eventos no âmbito dos seus objetivos genocidas e pelo fato dele não ter oferecido a suas vítimas a “opção” de conversão ao Cristianismo – não havia como escapar do extermínio.
Um número crescente de estudiosos cristãos e sacerdotes concluíram que a raiz do antisssemitismo na comunidade mundial cristã está, em última análise, baseada nos escritos do Novo Testamento. Em seu livro Elder and Younger Brothers: The Encounter of Jews and Christians [Antigos e Jovens irmãos: O Encontro de Judeus e Cristãos], o Professor A. Roy Eckhardt [ex-professor de Religião na Universidade de Lehigh (PA) e da Universidade de Oxford (Reino Unido)] afirma que a base do antissemitismo mundial e da responsabilidade pelo Holocausto está no Novo Testamento1. Em outro livro, Your People, My People: The Meeting of Jews and Christians [Seu Povo, Meu Povo: O Encontro de Judeus e Cristãos], o Professor Eckhardt insiste que o arrependimento cristão deve incluir um reexame do Novo Testamento e das atitudes básicas teológicas para com os judeus a fim de lidar eficazmente com o problema do antissemitismo e sua prevenção2. A visão geral dos estudiosos como Professor Eckhardt transmite a ideia de que, ao usar o Novo Testamento como fonte autorizada, a “Igreja” estereotipou os judeus como ícone da humanidade não redimida, a imagem de pessoas cegas, teimosas, carnais e perversas. Esta desumanização foi o veículo que formou o pré-requisito psicológico para as atrocidades que se seguiram.
Em um de seus sermões, o reverendo Dr. Frank G. Kirkpatrick que é Pastor da Trinity Episcopal Church e Professor de Religião no Trinity College em Hartford, Connecticut, descreve como o antissemitismo surgiu de uma passagem no Novo Testamento (Atos 13:44-52), e que deveria ser lido naquele domingo em particular, bem como outros versículos como esse3. Aquela passagem proclamava que os judeus ‘trouxeram a condenação sobre si mesmos ao rejeitar Jesus como Messias’, uma crença que tem feito com que judeus ao longo dos séculos fossem perseguidos, exilados, e que eventualmente culminou com o Holocausto.
Em vez de especular e explorar as razões pelas quais o Novo Testamento contém uma retórica antijudaica difamatória e racista, este ensaio irá considerar alguns exemplos de tais passagens do Novo Testamento que aparecem em lecionários cristãos. Lecionários são coleções de passagens da Bíblia Cristã que são lidas durante semanários católicos regulares e serviços de igrejas protestantes que se repetem cíclicamente. Como tal, estes Lecionários são amplamente utilizados por milhares de cursos cristãos, eles são pouco semelhantes aos livros de orações judaicas, o Sidur.
O material encontrado nos Lecionários é, naturalmente, apenas a “ponta do iceberg”, mas é o bastante para demonstrar a plausibilidade da afirmação de que o antis- semitismo entre os cristãos está enraizado no Novo Testamento.
II. POLÊMICAS ANTIJUDAICAS NO NOVO TESTAMENTO
Grande parte das informações neste ensaio foi extraída de um artigo do professor Norman A. Beck, um estudioso do Novo Testamento e professor de Teologia e Línguas Clássicas da Universidade Luterana do Texas4. Em seu artigo, o professor Beck analisa os textos encontrados em seis dos 27 livros que compõem o Novo Testamento ao qual ele se refere como “… textos específicos, identificados como mais problemáticos…” em algumas de suas obras publicadas. O Professor Beck identifica passagens ofensivas no Novo Testamento e mostra os casos em que todos ou partes destes textos são incluídos nas séries do Lecionário Principal.
A. O Evangelho de Mateus
O Evangelho de Mateus contém cerca de 90 versículos de polêmicas difamatórias antijudaicas. Estas são mostradas na Tabela II A-1 com passagens que aparecem em várias séries do Lecionário (em destaque).
Tabela II.A-1 – Polêmicas Antijudaicas no Evangelho de Mateus
Fonte Descrição do Contexto Código do Lecionário 3:7 Os fariseus e saduceus são chamados de raça de víboras MLR 12:34a Os fariseus são chamados de raça de víboras —– 15:3-9 Condenação dos fariseus pela rejeição dos mandamentos —– 15:12-14 Os fariseus são chamados guias cegos que conduzem cegos —– 16:6 Cuidado com o fermento dos fariseus e saduceus —– 19:3-9 É dito que os fariseus tem o coração duro —– 19:28 Os discípulos de Jesus irão julgar as doze tribos de Israel —– 22:18c Os fariseus são chamados de hipócritas MLR 23:13-36 Os escribas e fariseus são repetidamente chamados de hipócritas —– 23:28 A casa de Jerusalém estará abandonada e desolada —– 26:59-68 Os chefes dos sacerdotes e do conselho condenam Jesus como
merecedor da pena de morte
27:1-26 O povo exige que Yeshu(Yeshua/Jesus), e não Barrabás, seja crucificado. MLR 27:62-66 Os sumos sacerdotes e os fariseus solicitam um guarda no túmulo de Yeshu(Yeshua/Jesus)
28:4 Os guardas tremem e se tornam como mortos quando o anjo aparece LR 28:11-15 O sumo sacerdote suborna os guardas para mentirem sobre suas ações
Notas para o Código do Lecionário: —- Não incluído em uma série principal do Lecionário. H – As “Perícopes Históricas” utilizadas pela maioria dos cristãos antes de 19695 M – O Lecionário Romano Católico para a Missa usado durante os anos 80. L – Adaptações Luteranas do Lecionário para a Missa, impresso no Livro Luterano de Adoração. R – The Revised Common Lectionary, 1992.
B. O Evangelho de Marcos
O Evangelho de Marcos contém aproximadamente 40 versículos de polêmicas difamatórias antijudaicas. Estas são mostradas na Tabela II B-1,1 com passagens que aparecem em várias séries do Lecionário (em destaque).
Tabela II-B-1 – Polêmicas Anti-judaicas no Evangelho de Marcos
Fonte Descrição do Contexto Código
do Lecionário 3:6 Diz-se que os fariseus começaram a entrar em conselho para
matar Yeshu(Yeshua/Jesus)
7:6-13 Condenação dos fariseus por rejeitar os mandamentos MLR 8:15 Cuidado com o fermento dos fariseus —- 10:2-5 É dito que os fariseus tem o coração duro MLR 14:55-56 O sumo sacerdote e o conselho condenam Jesus a morte —- 15:1-15 O povo exige que Jesus, e não Barrabás, seja crucificado. MLR Notas para o Código do Lecionário: —- Não incluído em uma série principal do lecionário. H – As “Perícopes Históricas” utilizadas pela maioria dos cristãos antes de 19692 M – O Lecionário Romano Católico para a Missa usado durante os anos 80. L – Adaptações Luteranas do Lecionário para a Missa,impresso no Livro Luterano de Adoração. R – The Revised Common Lectionary, 1992.
C. O Evangelho de Lucas
O Evangelho de Lucas contém cerca de 60 versículos de polêmicas difamatórias anti- judaicas. Estas são mostradas na Tabela II.C-1, com passagens que aparecem em várias séries do lecionário (em destaque).
Tabela II.C-1 – Polêmicas Antijudaicas no Evangelho de Lucas
Fonte Descrição do Contexto
Código do Lecionário 3:7c A multidão é chamada de raça de víboras LR 4:28-30 Os membros da sinagoga em Nazaré tentam matar Yeshu(Yeshua/Jesus) MLR 7:30 É dito que os fariseus rejeitaram os propósitos de Deus —- 11:39-54 Os fariseus e os estudiosos da Torá são condenados —- 12:1b Cuidado com o fermento dos fariseus, que é a hipocrisia. —- 13:14-17 O príncipe da sinagoga é chamado de hipócrita —- 13:35a Diz-se que casa de Jerusalém ficará deserta LR 22:63-71 Os chefes dos sacerdotes e do conselho condenam Jesus
como merecedor da pena de morte
23:1-25 O povo exige que Jesus, e não Barrabás, seja crucificado. LR Notas para o Código do Lecionário: —- Não incluído em uma série principal do lecionário. H – As “Perícopes Históricas” utilizadas pela maioria dos cristãos antes de 19692 M – O Lecionário Romano Católico para a Missa usado durante os anos 80. L – Adaptações Luteranas do Lecionário para a Missa, impresso no Livro Luterano de Adoração. R – The Revised Common Lectionary, 1992.
D. O Evangelho de João
O Evangelho de João contém cerca de 130 versículos de polêmicas difamatórias anti- judaicas. Estas são mostradas na Tabela II.D-1, com passagens que aparecem em várias séries do lecionário (em destaque).
Tabela II.D-1 – Polêmicas Antijudaicas no Evangelho de João
Fonte Descrição do Contexto
Código do Lecionário 5:16-18 É dito que os judeus perseguiam Yeshu(Yeshua/Jesus) e procuravam matá-lo —- 5:37b-47 É dito que as palavras de D’us e o amor de D’us não está nos judeus —- 7:19-24 É dito que nenhum dos judeus faz o que está escrito na Torá —- 7:28d É dito que os judeus não sabiam daquele que havia enviado Jesus —- 8:13-28 É dito que os fariseus não conhecem nem Jesus nem o Pai —- 8:37-59 É dito que os judeus são descendentes de seu pai, o Diabo. H 9:13-41 Os fariseus e outros judeus são condenados como culpáveis MLR 10:8 É dito que os judeus são ladrões e salteadores MLR 10:10a Os judeus são retratados como aqueles que roubam, matam e
destroem.
10:31-39 É dito que os judeus pegaram em pedras para apedrejar Yeshu(Yeshua/Jesus) —- 11:53 É dito que os judeus perceberam que teriam que matar Yeshu(Yeshua/Jesus)
11:57 Diz-se que os sumo sacerdotes queriam prender Jesus —- 12:10 Diz-se que os sumo sacerdotes planejaram matar Lazaro e Yeshu(Yeshua/Jesus) —- 12:36b- 43
Diz-se que a maioria dos judeus preferiam o louvor dos homens mais do que a D’us
16:2-4 Diz-se que os judeus irão matar os discipulos de Yeshu(Yeshua/Jesus) e pensarão
estarem servindo a D’us

18:28- 32
É dito que os judeus exigiram que a sentença de Pilatos fosse a morte de Yeshu(Yeshua/Jesus)
18:38b- 40
É dito que os judeus exigem que Yeshu(Yeshua/Jesus), e não Barrabás fosse crucificado
19:4-16 Os judeus são retratados como insistindo a Pilatos que Jesus fosse crucificado
Notas para o Código do Lecionário: —- Não incluído em uma série principal do lecionário. H – As “Perícopes Históricas” utilizadas pela maioria dos cristãos antes de 19692 M – O Lecionário Romano Católico para a Missa usado durante os anos 80. L – Adaptações Luterana do Lecionário para a Missa, impresso no Livro Luterano de Adoração. R – The Revised Common Lectionary, 1992.
E. Atos dos Apóstolos
Os Atos dos Apóstolos contém cerca de 120 versículos de polêmicas difamatórias antijudaicas. Estas são mostradas na Tabela II.E-1, com passagens que aparecem em várias séries do lecionário (em destaque).
Tabela II.E-1 – Polêmicas Antijudaicas no livro de Atos
Fonte Descrição do Contexto
Código do Lecionário 2:23b Pedro diz aos israelitas que eles crucificaram Jesus MLR 2:36b Novamente Pedro diz que os israelitas crucificaram Yeshu(Yeshua/Jesus) MLR 3:13b-15a Pedro diz que os israelitas mataram o originador da vida MLR 4:10a Novamente Pedro diz que os israelitas mataram Jesus MLR 5:30b Pedro diz que os membros do Conselho Judaico mataram Jesus MLR 6:11-14 É dito que os judeus trouxeram falsas acusações contra Estevão —- 7:51-60 É dito que Estevão condena os judeus por traírem e matarem Jesus
9:1-2 Paulo é retratado planejando prender os discípulos de Jesus LR 9:23-25 É dito que os judeus panejavam matar Paulo —- 9:29b É dito que Judeus Helenistas também tentaram matar Jesus —- 12:1-3a É dito que os judeus ficaram satisfeitos quando Herodes matou Tiago
12:3b-4 É dito que quando Herodes prendeu Pedro isso também agradou os judeus
12:11 É dito que Pedro percebeu que os judeus queriam matá-lo —- 13:10-11 É dito que Paulo condenou o judeu Elimas como filho do Diabo —– 13:28-29a É dito que os judeus pediram a Pilatos para crucificar Jesus L 13:39d É dito que os judeus não podem ser perdoados por intermédio da
Torá 13:45-46 É dito que os judeus falaram contra Paulo ML 13:50-51 É dito que os judeus encorajaram a perseguição a Paulo e Bernabé
14:1-6 É dito que muitos judeus se opuseram a Paulo e Bernabé e
tentaram apedrejá-los
- 14:19-20 É dito que os judeus apedrejaram Paulo e pensaram que ele
estava morto 17:5-9 É dito que os judeus incitaram um motim ao procurar Paulo e Silas
17:13 É dito que os judeus incitaram um tumulto contra Paulo L 18:6 Paulo diz aos judeus “Que o seu sangue esteja sobre vossas cabeças”
18:12-17 É dito que os judeus trouxeram acusações contra Paulo —- 19:13-19 Exorcistas judeus são apresentados de maneira reprovável —- 21:27-36 Judeus são retratados prendendo Paulo e tentando matá-lo —- 22:4-5 Paulo diz que quando era judeu perseguia os cristãos —- 23:2-5 É dito que Paulo condena o sacerdote por prendê-lo —- 23:12-22 É dito que os judeus pactuaram não comer nem beber nada até matarem Paulo
23:27-30 É dito que Paulo foi quase morto pelos judeus —- 24:9 É dito que os judeus acusaram Paulo de muitos crimes —- 25:2-5 É dito que os judeus planejaram matar Paulo —- 25:7-11 É dito que os judeus continuaram a trazer acusações contra Paulo
25:15-21 É dito que os judeus falaram repetidamente contra Paulo —- 25:24 É dito que todos os judeus gritavam que Paulo deveria ser morto —- 26:21 É dito que os judeus prenderam Paulo e tentaram matá-lo —- 28:25-28 Paulo diz que condena os judeus por nunca entenderem a Deus —-
Notas para o Código do Lecionário: —- Não incluído em uma série principal do lecionário. H – As “Perícopes Históricas” utilizadas pela maioria dos cristãos antes de 19692 M – O Lecionário Romano Católico para a Missa usado durante os anos 80. L – Adaptações Luterana do Lecionário para a Missa, impresso no Livro Luterano de Adoração. R – The Revised Common Lectionary, 1992.
F. Cartas e Epístolas de Paulo
Quatro versos, que constituem algumas das mais virulentas polêmicas antijudaicas presentes no Novo Testamento são encontradas dentro das sete cartas escritas por Paulo, as seis pseudo-paulinas e as epístolas deutero-paulinas. Estas são apresentadas na Tabela II.F-1.
Tabela II.F-1 – Polêmicas Antijudaicas em 1 Tessalonicenses
Fonte Descrição do Contexto
Código do Lecionário 2:13-16 Condena os judeus por matarem Jesus e os profetas, celebra o
sofrimento dos judeus, pois “a ira de D’us” estava sobre eles.
III. Observações e conclusões
Algumas observações gerais podem ser tiradas a partir do material apresentado acima:
• Um número cada vez maior de estudiosos e sacerdotes cristãos concorda que o Novo Testamento contém polêmicas difamatórias antijudaicas
• Independentemente de como são encontradas no Novo Testamento, pode tal linguagem antijudaica ser a “palavra inspirada de D’us”, como muitos cristãos acreditam que o Novo Testamento é, ou a “palavra inspirada de D’us”, como muitos outros acreditam?
• Estas polêmicas antijudaicas dentro do Novo Testamento sem dúvida alguma serviram para alimentar o antissemitismo e suas atrocidades contra o povo judeu ao longo de toda História.
• Com base na quantidade de versiculos apresentados, somente o Evangelho de João parece ser o livro mais antijudaico do Novo Testamento, e Atos dos Apóstolos, o segundo.
Os versos seguintes, que são de uma das passagens do Evangelho de João listado entre outros acima, na Tabela II.D-1 demonstram isso claramente [palavras entre parênteses foram adicionados para esclarecimento]:
João 8:44,47 – Vós [judeus] tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira. Mas, porque vos digo a verdade, não me credes. Quem dentre vós me convence de pecado? E se vos digo a verdade, por que não credes? Quem é de D’us escuta as palavras de D’us; por isso vós [judeus] não as escutais, porque não são de D’us.
• Com base na virulência e agressividade, algumas das epístolas de Paulo e os
Atos dos Apóstolos são as mais inflamadas.
A seleção que pode ter sido o maior responsável pelo derramamento do sangue de milhões de vítimas inocentes do povo judeu ao longo da história é a da epístola de Paulo:
1 Tessalonicenses 2:13-16 – Por isso também damos, sem cessar, graças a D’us, pois, havendo recebido de nós a palavra da pregação de D’us, a recebestes, não como palavra de homens, mas (segundo é, na verdade), como palavra de D’us, a qual também opera em vós, os que crestes. Porque vós, irmãos, haveis sido feitos imitadores das igrejas de D’us que na Judéia estão em Jesus Cristo; porquanto também padecestes de vossos próprios concidadãos o mesmo que os judeus lhes fizeram a eles, Os quais também mataram o Senhor Jesus e os seus próprios profetas, e nos têm perseguido; e não agradam a D’us, e são contrários a todos os homens, E nos impedem de pregar aos gentios as palavras da salvação, a fim de encherem sempre a medida de seus pecados; mas a ira de D’us caiu sobre eles até ao fim.
A Tabela III-1 mostra o resumo das estatísticas sobre “… os textos específicos, identificados como mais problemáticos…” encontrados nas séries principais do Lecionário, que foram previamente listados nas diversas tabelas da Seção II.
Tabela III-1 – Polêmicas Anti-judaicas no Novo Testamento e nos lecionários cristãos
Fonte
H – “Pericopes Históricas” 6 7.0 48 10.5 0.6 M – RC Lecionário para Missa 23 26.7 146 31.9 1.8 L – Lecionário Luterano para Missa 32 37.2 203 44.4 2.6 R – The Revised Common Lectionary 27 31.4 181 39.6 2.3 Número de passagens distintas 35 Passagens no NT mas não nos Lecionários 51 Total passagens distintas 86 Número de versos distintos 220 Versos no NT mas não nos Lecionários 237 Total versos distintos 457 5.7 Versos totais do NT 7,959 100.0
Os dados apresentados na Tabela III-1 levam a várias observações adicionais:
• Embora a tradição da “Perícope Histórica” não tenha deliberadamente selecionado textos antijudaicos, ela não demonstrou sensibilidade para esta questão.
Não pode ter havido uma tentativa consciente de selecionar um grande número de textos com difamação antijudaicas, no entanto também não parece ter havido qualquer esforço direcionado para evitar o seu uso.
• O Lecionário para a Missa da Igreja Católica Romana contém 23 seleções que são claramente antijudaicas, em comparação com os seis nas “Perícopes Históricas”.
Aparentemente os especialistas litúrgicos que desenvolveram o Lecionário para a Missa não aplicaram ao seu processo de formação lecionária os princípios e o espírito de Nostra Aetate (Declaração sobre a relação da Igreja Católica Romana para religiões não cristãs aprovadas pelo Concílio Vaticano II – 10/28/65). Eles foram particularmente insensíveis em suas seleções de textos virulentamente antijudaicos dos Atos dos Apóstolos, que devem ser lidos durante a festividade pascal.
• O Lecionário Luterano para a Missa torna-se assim o Lecionário mais antijudaico analisado pelo professor Beck
Os liturgistas luteranos e os liturgistas de outras denominações cristãs que se interessaram no Lecionário (Católico Romano) para a missa, com diversas modificações, e que adotaram para seu próprio uso, no entanto, parecem não ter tido preocupações sobre o uso ampliado de textos difamatórios antijudaicos. Os liturgistas da tradição luterana ainda incluíram seleções violentas adicionais e claramente antijudaicas em seu Lecionário Luterano para Missa.
• The Revised Common Lectionary também contém outras passagens abertamente antissemitas em sua coleção
Embora este seja o mais moderno livro de oração cristão examinado pelo Prof. Beck (1992), parece que os liturgistas cristãos que o desenvolveram demonstram a mesma falta de sensibilidade como fizeram os outros.
Considerando os milhões de cristãos das igrejas que leram essas coleções litúrgicas nos seus serviços regulares da igreja, não é de estranhar que o antissemitismo tenha florescido dentro da “Igreja” e da Cristandade. O Novo Testamento tem sido muito eficaz em envenenar as mentes daqueles que o estudam, aceitando-no como “a palavra de Deus” ou como sendo “inspirada por Deus”.
IV. SUMÁRIO
O “amor cristão para o judeu” que tanto se ouve hoje em dia acaba por ser condicional na esmagadora maioria dos casos. Cristãos, evangélicos missionários cristãos em particular, enxergam os judeus como um povo cego que necessita ser convertido. Quando seus esforços missionários falham, ou quando suas decepções são expostas, o seu amor para com o judeu rapidamente se transforma em ódio e desprezo. Atualmente o louvável amor judeu pelos “novos cristãos” é perpetrado por cristãos fundamentalistas disfarçados, alguns dos quais ainda dizem ser “observantes de Torá” (i.e., cristãos que se disfarçam de judeus). Eles ensinam as mesmas doutrinas antissemitas que foram ensinadas pela “Igreja” ao longo da História. Apesar de suas táticas podem ter mudado, suas intenções e mensagens permanecem as mesmas.
O número de judeus que foram perseguidos e assassinados em nome de Jesus ao longo da História ultrapassa significativamente os seis milhões massacrados e assassinados pelos nazistas durante o Holocausto.
Hans Küng, um importante teólogo católico, escreveu:
“O antijudaísmo Nazista foi o trabalho de ímpios e anticristãos criminosos. Mas não antijudaísmo primitivo teria sido cristão”. sido 6
possível sem os quase dois mil anos do
Entretanto (mesmo sabendo disso), ainda existem judeus que por várias razões optam por ignorar este fato e juntaram-se a “Igreja”. Shmuel Golding, que fundou o Jerusalem Institute of Biblical Polemics diretor dele por muitos anos, resumiu a sua opinião a respeito da seguinte maneira:
“Qualquer judeu que prestar homenagem ao Novo Testamento ou permitir-se acreditar nele, está, em minha opinião na mesma categoria que um judeu que defende as atitudes tenta dos nazistas”
justificar 7
.
Mein Kampf de Hitler, ou, como quem
Judeus que são abordados por missionários cristãos devem perceber que, para serem “amados” por estes cristãos, terão de abraçar e aceitar o Novo Testamento como parte de sua Bíblia. Portanto, se ele ainda for um membro da comunidade judaica ou um dos que já se juntou a uma organização judaico-cristã, esse judeu deve considerar as seguintes questões:
* Pode o Novo Testamento, o mesmo que levou à perseguição e assassinato de milhões de meus ancestrais judeus através da História, ser verdadeiramente a Palavra de D’us, ou Palavra inspirada por D’us?
* Estou pronto a abraçar o Novo Testamento, que jorra ódio e mentiras contra o povo judeu e, portanto, contra mim, como judeu, aceitando isso como parte da minha Bíblia?
O resultado desejado é, naturalmente, que as respostas honestas e objetivas a essas perguntas motivem os indivíduos afetados a retornarem ao Judaísmo Tradicional.
A análise acima apresentada, para o qual apenas fontes acadêmicas cristãs foram utilizadas, pode ser resumida através da seguinte pergunta:
Qual é a o fio condutor do antissemitismo que conecta os atos históricos de perseguição ao povo judeu?
Resposta: O Novo Testamento.
.

Ciclo Ecuménico de Oración

Esta semana oramos por:

Se o homem não deixar de consumir combustíveis fósseis também não terá como minimizar as consequências da braveza dos mares que, de imediato destruirá várias cidades costeiras. E se o consumo deixar de acontecer agora, o homem ainda sofrerá os danos provocados à atmosfera pelo período de 30 a 50 anos, até que o gás já emitido seja dissipado. Com o atual retrato a previsão é de que a água deverá subir entre 4 e 5m de altura. Nos Estados Unidos as principais cidades a serem atingidas são Baltimore, Miami, Nova Orleans, Nova Iorque e até Washington, além de Londres, na Inglaterra. Nova Orleans sofreu com o Katrina, mas nada foi feito para minimizar novas catástrofes, segundo cientistas, que prevêem outros furacões Além dessas, outras cidades costeiras do mundo sofrerão o mesmo efeito, devido às alterações do derretimento das calotas polares e de grandes geleiras. À medida que as calotas derretem aparecerão áreas escuras (antes gélidas e claras), onde o sol ganhará força de impacto, fenômeno chamado pelos cientistas de Efeito Feedback. Esse desaparecimento também indica que o homem presenciará mudanças na Terra. Mas, atualmente, já se registra o desaparecimento de geleiras em todo o mundo. Nas últimas 3 décadas, cerca de 25% das geleiras peruanas desapareceram. Esse registro ocasiona outro efeito nas regiões afetadas. As mudanças, por serem radicais, exigem alterações e respostas rápidas do homem na questão da sobrevivência. Os exemplos registrados até hoje mostram que a segunda parte não acontece. Ao nível dos oceanos que aumentam junte-se o calor nos mares. No ano 2000, um acontecimento jamais visto deixou cientistas perplexos. Uma barreira de 11 mil metros quadrados de gelo desprendeu-se da calota da Antártida e em torno de 3 trilhões de toneladas de gelo seguiram mar adentro. Caso somente o gelo da Antártida e da Groelândia se derreta, o nível do mar aumentará até 9m, segundo previsão científica. Programa Grace A seriedade da situação fez com que a entidade científica de influência global, a Nasa, se unisse a outra agência alemã, para juntas construírem o Programa Grace, com o objetivo de ‘bisbilhotar’ os efeitos do degelo. O programa lançou os satélites Tom e Jerry, que há cinco anos medem as alterações gravitacionais ocasionadas pelo derretimento de gelo na Groelândia e na Antártida. Toda a água compactada em blocos de gelo ao derreter, ocasiona mais pressão por ocupar mais volume no espaço. Satélites monitoram os efeitos do degelo na pressão atmosférica Segundo cientistas o calor derrete entre 100 e 200 bilhões de toneladas de gelo por ano. Invasão de mares Em muitos lugares do mundo o mar é o responsável pela perda de terra seca em função ao aumento de seu nível. Em Bangladesh fazendeiros perderam áreas de plantação de arroz por causa da invasão de água salgada do mar. Além de causar sérios problemas sócio-econômicos, provocando a mudança de comportamento de animais e migrações em massa para países desenvolvidos, o risco da falta de água potável é outro grande problema a enfrentar. No Rio de Janeiro Em São João da Barra, no norte fluminense, uma maré alta destruiu um prédio de quatro andares, em 5 de abril de 2008. Nos últimos 35 anos, o mar avança a média de 3m a cada 12 meses. Mais de 200 casas já foram destruídas pelas ondas, desabrigando moradores. Segundo pesquisas do Departamento de Engenharia Cartográfica da Universidade do Estado de Rio de Janeiro (Uerj), nos últimos meses a erosão tem se acelerado, além do previsto e avançou 7m, o dobro da média anual, medida desde a década de 50. Nos Estados Unidos A cada dia a água do mar invade 30cm de área da cidade de Luziânia (EUA) e grandes áreas de terra são consumidas pelo mar. Na mesma região, 13 ilhas desapareceram nos últimos 100 anos e a remanescente Ilha Robert já perdeu 8m de terra desde junho de 2008. No século passado, os Estados Unidos sofreram a ação devastadora provocada por 167 furacões. Os mais violentos foram o Vilma, Rita e o Katrina. O Projeto Argo, lançado para medir o estado físico dos oceanos, mostra por meio de 3 mil bóias distribuídas pelos oceanos, que o aquecimento ocorre com velocidade alarmante. E somente neste século, os cientistas prevêem a elevação do nível do mar entre 30 a 90cm. Cidades vulneráveis As cidades norte-americanas ameaçadas por furacões do nível 2 (como o Isabel), são Baltimore, Nova Orleans, Miami, Nova Iorque e até Washington. Londres não fica fora da lista. Elas são vulneráveis a furacões que podem provocar o aumento do nível do mar e inundações de 4 a 5m. Segundo previsões, os furacões continuarão e com maior incidência Na Europa Em fevereiro de 1953, a força dos ventos e a maré alta destruíram diques na Holanda, desenvolvidos desde a Idade Média. O resultado foi desastroso, pois 300 fazendas e 3 mil casas foram destruídas e 1,8 mil pessoas morreram. Em 2007 o mar invadiu a capital da Finlândia. Destruição de efeito dominó Os pântanos, ao lado das ilhas, são acidentes geográficos que minimizam a ação de furacões, por desgastar por fricção, a velocidade do vento. Mas, também, ao lado das ilhas, segundo pesquisa, os pântanos estão desaparecendo. O aumento da temperatura dos oceanos também ocasiona tempestades violentas. O oceano mais quentes e o aquecimento que provoca o degelo de calotas polares, causará destruição sem limites. Leia mais no livro Fronteira Final

NOTÍCIAS

Get Adobe Flash player

A minha Lista de blogues